Projeto "Lilium"

Dilatação e Evacuação (13-20+ semanas)
Geralmente são introduzidas lâminas rígidas designadas de  laminarias (feitas a partir de material desidratado, geralmente algas  marinhas esterilizadas comprimidas em lâminas grossas) no colo do útero  no dia anterior ao aborto induzido; 
Após serem introduzidas, estas lâminas absorvem umidade e expandem  aumentando o seu tamanho várias vezes, dilatando assim o colo do útero; 
Um instrumento semelhante a um alicate é então inserido através do  colo do útero até ao útero. A pessoa que realiza o aborto tenta apanhar  uma perna, braço ou outra qualquer parte do corpo do feto, e num  movimento rotativo arranca-o do corpo. Este procedimento de  desmembramento desenrola-se até só ficar a cabeça do feto. Finalmente a  cabeça é esmagada e puxada para fora. A pessoa que executa o aborto, ou  algum ajudante (geralmente o/a enfermeiro/a), tem que depois voltar a  juntar todas as partes do corpo do feto para se certificar que foi  removido na sua totalidade.

Dilatação e Evacuação (13-20+ semanas)

  • Geralmente são introduzidas lâminas rígidas designadas de laminarias (feitas a partir de material desidratado, geralmente algas marinhas esterilizadas comprimidas em lâminas grossas) no colo do útero no dia anterior ao aborto induzido;
  • Após serem introduzidas, estas lâminas absorvem umidade e expandem aumentando o seu tamanho várias vezes, dilatando assim o colo do útero;
  • Um instrumento semelhante a um alicate é então inserido através do colo do útero até ao útero. A pessoa que realiza o aborto tenta apanhar uma perna, braço ou outra qualquer parte do corpo do feto, e num movimento rotativo arranca-o do corpo. Este procedimento de desmembramento desenrola-se até só ficar a cabeça do feto. Finalmente a cabeça é esmagada e puxada para fora. A pessoa que executa o aborto, ou algum ajudante (geralmente o/a enfermeiro/a), tem que depois voltar a juntar todas as partes do corpo do feto para se certificar que foi removido na sua totalidade.

Prostaglandina (16-38 semanas)

  • A prostaglandina é uma hormona que induz o trabalho de parto prematuro (também conhecida como misoprostol). É ministrada sob a forma de supositórios ou injeção no músculo uterino, causando uma reação violenta;
  • É ministrada sob a forma de supositórios ou infecção no músculo uterino, causando uma reação violenta. O feto morre geralmente por causa do trauma do nascimento. No entanto, se o feto tiver idade suficiente para agüentar o processo, nasce vivo (freqüente);
  • Para evitar que isso aconteça, os executantes do aborto utilizam ecografias para se guiarem no processo de injeção de um “fetícida” (uma droga que mata o feto) no coração do feto, ainda estando dentro da mãe.

Envenenamento salino (16-32+ semanas)
Também conhecido como amniocentese;
Consiste na inserção de uma agulha comprida através da parede abdominal da mãe até ao saco amniótico;
A solução salina concentrada é então injetada no fluido amniótico, e o liquido contendo a toxina mortal vai sendo ingerida lentamente pelo feto, envenenando-o e queimando-lhe a pele e os pulmões.

Envenenamento salino (16-32+ semanas)

  • Também conhecido como amniocentese;
  • Consiste na inserção de uma agulha comprida através da parede abdominal da mãe até ao saco amniótico;
  • A solução salina concentrada é então injetada no fluido amniótico, e o liquido contendo a toxina mortal vai sendo ingerida lentamente pelo feto, envenenando-o e queimando-lhe a pele e os pulmões.

Injeção Intracardíaca (20-32 semanas)

  • Por volta dos quatro meses de gravidez é introduzida uma agulha através do abdômen materno e do peito e coração do feto (ou de um dos fetos). Esta injeção tem como objetivo administrar um veneno diretamente no coração;
  • Este processo designa-se de “redução de gravidez” e é também utilizado para por fim à vida de fetos com malformações, se tais forem identificadas. Por vezes este método resulta na morte de todos os fetos.

Histerotomia (24-38 semanas)
Semelhantemente com uma cesariana até certo ponto resulta no nascimento de um bebê vivo que é depois abandonado à morte ou ao qual a morte é provocada; 
Este procedimento não é, no entanto, um “tipo” de cesariana. A cesariana é realizada geralmente com o objetivo de se preservar a vida da mãe e da criança. A histerotomia (incisão da parede uterina), pelo contrário, resulta sempre na morte do bebê. Quer a vida da mãe esteja ou não em causa.

Histerotomia (24-38 semanas)

  • Semelhantemente com uma cesariana até certo ponto resulta no nascimento de um bebê vivo que é depois abandonado à morte ou ao qual a morte é provocada;
  • Este procedimento não é, no entanto, um “tipo” de cesariana. A cesariana é realizada geralmente com o objetivo de se preservar a vida da mãe e da criança. A histerotomia (incisão da parede uterina), pelo contrário, resulta sempre na morte do bebê. Quer a vida da mãe esteja ou não em causa.
Dilatação e Extração (20 semanas – até ao fim da gravidez)Por nascimento parcial 
Este procedimento inicia-se com a dilatação do colo do útero ao longo de dois dias. No momento do aborto é realizada uma ecografia para determinar a posição e orientação do feto no ventre materno;
A pessoa que realiza o aborto insere depois os fórceps através do canal cervical até ao útero e prende uma das pernas do feto, posicionando-o de pés voltados para fora e de face voltada para baixo. O corpo do feto é de seguida puxado para fora do canal, exceto a cabeça que é grande demais para passar pelo colo do útero. Esta fica geralmente presa dentro do útero da mãe. Nesta altura o feto ainda se encontra vivo, provavelmente a mexer os pés e braços;
O executante do aborto prende os seus dedos sobre os ombros do feto, mantendo sempre o colo do útero da mãe afastado do pescoço do feto. Em seguida, com uma tesoura cirúrgica de pontas arredondadas perfura a base do crânio do feto e afasta as pontas de modo a alargar o ferimento. É então inserido um cateter de sucção no base do crânio do feto e o cérebro é aspirado. Com o colapso subsequente do crânio, a cabeça do feto passa então facilmente através do colo do útero. 
Dilatação e Extração (20 semanas – até ao fim da gravidez)Por nascimento parcial
  • Este procedimento inicia-se com a dilatação do colo do útero ao longo de dois dias. No momento do aborto é realizada uma ecografia para determinar a posição e orientação do feto no ventre materno;
  • A pessoa que realiza o aborto insere depois os fórceps através do canal cervical até ao útero e prende uma das pernas do feto, posicionando-o de pés voltados para fora e de face voltada para baixo. O corpo do feto é de seguida puxado para fora do canal, exceto a cabeça que é grande demais para passar pelo colo do útero. Esta fica geralmente presa dentro do útero da mãe. Nesta altura o feto ainda se encontra vivo, provavelmente a mexer os pés e braços;
  • O executante do aborto prende os seus dedos sobre os ombros do feto, mantendo sempre o colo do útero da mãe afastado do pescoço do feto. Em seguida, com uma tesoura cirúrgica de pontas arredondadas perfura a base do crânio do feto e afasta as pontas de modo a alargar o ferimento. É então inserido um cateter de sucção no base do crânio do feto e o cérebro é aspirado. Com o colapso subsequente do crânio, a cabeça do feto passa então facilmente através do colo do útero. 

Video de finalização do meu projeto sobre aborto.

(Método abortivo: Aspiração/Sucção)

OBS.: A força de sucção do aparelho utilizado nesta prática chega a ser 29 vezes mais forte do que a sucção de um aspirador caseiro. Possíveis complicações resultantes deste método incluem infecção, laceração [ lesão resultante de um rasgamento de pele até ao tecido subcutâneo ] cervical e perfuração do útero.